Madonna foi multada em US$ 1 milhão por apoiar direitos LGBTI+ na Rússia

Ícone pop revelou que a multa foi aplicada pelo Governo da Rússia, mas não pagou

2336

Durante a turnê MDNA, em 2012, Madonna deu pulseiras rosa para os membros da platéia de seu show em São Petersburgo, na Rússia, para mostrar solidariedade com a comunidade LGBTI+ do país. Na oportunidade, a ícone pop fez um discurso apaixonado sobre igualdade.

“Sinto que as pessoas estão ficando cada vez mais com medo de pessoas diferentes”, disse Madonna no meio do show. “As pessoas estão se tornando cada vez mais intolerantes, mas podemos fazer a diferença. Não precisamos fazer isso com violência, mas com amor”, discursou.

Madonna pediu à platéia que levantasse as pulseiras para mostrar apoio às pessoas LGBTI+ e concluiu: “Você não pode usar a religião, ou o nome de Deus, para tratar mal as outras pessoas. Então, vamos ao mundo, espalhar esta mensagem de amor e viver nossas vidas sem medo. Amém”.

O discurso de Madonna foi recebido com elogios da população LGBTI+ russa e pela grande mídia, embora tenha sido – sem surpresa – rejeitado pelos conservadores russos anti-gays, que acusaram a cantora de Vogue de promover o que eles chamam de “propaganda homossexual”.

Uma representante do movimento anti-LGBTI+ disse que Madonna causou “sofrimento moral” à Rússia porque seus shows “tornariam” os fãs gays, o que significa que “menos crianças nascem como resultado” e o país seria incapaz de “defender suas fronteiras”.

Oito anos depois, a estrela revisitou o momento polêmico ao publicar um vídeo de seu discurso ao lado da legenda: “8 anos atrás, fui multada em 1 milhão de dólares pelo governo por apoiar a comunidade gay”, acrescentando: “Eu nunca paguei”.

Veja:

Queer Queen

No ano passado, no GLAAD Awards, Madonna explicou por que ela lutou continuamente pelos direitos LGBTQ + ao longo de sua carreira.

“O primeiro homem gay que conheci foi chamado Christopher Flynn. Ele foi meu professor de balé no ensino médio e foi a primeira pessoa que acreditou em mim, que me fez sentir especial como dançarina, como artista e como ser humano ”, disse ela.

“Eu sei que isso parece trivial e superficial, mas ele foi o primeiro homem a me dizer que eu era bonita”, destaca Madonna.

A estrela acrescentou: “Pela primeira vez, vi homens beijando homens, garotas vestidas como meninos, garotos vestindo calças quentes, loucura, dança incrível e um tipo de liberdade e alegria e felicidade que eu nunca tinha visto antes”.

“Finalmente senti que não estava sozinha, que não havia problema em ser diferente e não ser como todo mundo. E que, afinal, eu não era uma aberração. Eu me senti em casa, e isso me deu esperança”, conclui ela, hoje também ícone LGBTI+.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here