Levante poderoso de lésbicas marca o ‘Stonewall’ brasileiro

318
Registro da fachada do Ferro’s Bar, em meados dos anos 1990. Foto: Reprodução

O mês de agosto no Brasil traz consigo a aura da visibilidade lésbica, em memória ao I Seminário Nacional de Lésbicas (SENALE) de 1996. No entanto, pouco mais de uma década antes dessa emblemática iniciativa, um episódio marcante ecoou em solo brasileiro: o Levante do Ferro’s Bar, protagonizado por lésbicas determinadas e respaldado por grupos feministas.

Chamado por muitos de ‘Stonewall’ brasileiro, esse movimento de mulheres lésbicas encontra paralelos diretos com o ocorrido no bar Stonewall Inn, em Nova York, Estados Unidos. Naquela icônica ocasião, a comunidade LGBTQIA+ se uniu contra incursões policiais recorrentes, resultando numa batalha de duas noites que lançou as bases para a primeira Parada do Orgulho, realizada em 1º de julho de 1970 nos EUA.

Era o ano de 1983, e o Ferro’s Bar, localizado próximo à avenida 9 de Julho, no coração de São Paulo, era mais que um simples bar. Era o ponto de encontro das mulheres lésbicas nas décadas de 60 a 90. Inicialmente frequentado por militantes comunistas, o bar se transformou, após o golpe civil-militar de 1964, num espaço vital para encontros da comunidade LGBTQIA+.

Tal como nos Estados Unidos, as investidas policiais eram uma realidade incômoda. As frequentadoras eram expulsas, mas voltavam, firmes e resilientes, para reocupar o espaço que era delas por direito. Proibir era a resposta autoritária da época, inclusive confiscando e proibindo panfletos que versassem sobre a luta LGBTIA+.

O mais notório desses panfletos era o jornal “Chana com Chana”, voltado ao público feminino lésbico. Editado inicialmente pelo Grupo Lésbico Feminista e, posteriormente, pelo Grupo de Ação Lésbico-Feminista – GALF, o jornal esteve ativo entre 1981 e 1987. Em 1988, o GALF deu vida ao jornal “Um Outro Olhar”, transformado em revista em 1995, ano de sua despedida.

Foto: Reprodução

Rico em abordagens sobre direitos sexuais, legislação, família e o encorajamento para assumir a identidade, o jornal tornou-se uma bússola para lésbicas e a comunidade LGBTQIA+ da época. A venda desse material foi barrada pelo dono do bar – o mesmo que fechava os olhos para outras atividades ilegais que aconteciam no estabelecimento.

Após resistir bravamente às expulsões violentas e à proibição de sua voz, o dia 19 de agosto de 1983 marcou uma mudança irreversível. As ativistas uniram-se a grupos LGBTQIA+, feministas e figuras políticas do momento. Na frente das frequentadoras, da polícia, da mídia e da militância, elas declararam um manifesto pela igualdade e contra a opressão.

Em um gesto surpreendente, a Folha de São Paulo reportou o evento de maneira positiva, destoando do tom preconceituoso que predominava nas notícias sobre lésbicas naquela época. O protesto fez eco e levou ao pedido de desculpas e à liberação da venda dos panfletos. O Levante do Ferro’s Bar se tornou um marco, incentivando grupos LGBTQIA+ e organizações feministas a reafirmar sua dignidade e presença. Esse evento culminou na criação do Dia do Orgulho Lésbico em São Paulo, aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado em junho de 2008.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here