Maria Clara Spinelli faz história ao interpretar primeira protagonista trans de novela

432
Maria Clara Spinelli como a Renée de ‘Elas por Elas’. Foto: Divulgação (Estevam Avellar/Globo)

Maria Clara Spinelli fará história ao interpretar a primeira protagonista trans de uma novela no remake de “Elas por Elas”, programado para estrear em 25 de setembro na faixa das 18h da Globo. A atriz de 48 anos também assume seu primeiro papel principal na emissora, e seu entusiasmo é notável.

“Estamos empenhados nesse trabalho com uma dose extra de amor, com o propósito de entregá-lo ao público e ao universo”, compartilha a atriz. “Minha esperança é que essa dedicação se manifeste na tela e que nosso trabalho ressoe nos corações das pessoas. Desejo que o público se apaixone por Renée, assim como eu já me encantei por ela.”

A trama gira em torno de Renée, uma mulher trans que leva uma vida plena ao lado de seu marido Wagner (César Mello) e seus enteados Vic (Bia Santana) e Tony (Richard Abelha). A família é proprietária de uma padaria em Niterói, onde Renée prepara sonhos – os doces – que são disputados pelos clientes.

Renée é parte de um grupo de amigas que, após 25 anos, se reencontra para reavivar a amizade da adolescência. Adriana (Thalita Carauta), Carol (Karine Teles), Helena (Isabel Teixeira), Lara (Deborah Secco), Natália (Mariana Santos) e Taís (Késia) a conheceram antes de sua transição de gênero, proporcionando muitos tópicos para conversa.

Entretanto, a vida de Renée não será sem desafios. De acordo com a sinopse, seu marido Wagner desaparecerá, levando consigo as economias da família. Renée precisará criar os enteados por conta própria, e a falta de recursos a forçará a fechar a padaria. Sua irmã, a personal trainer Érica (Monique Alfradique), será sua única aliada.

Por outro lado, Edu (Luís Navarro), o cunhado de Renée, se mostra como uma fonte constante de atrito. Com atitudes transfóbicas, ele faz comentários preconceituosos sobre ela sem qualquer inibição. Apesar disso, a personagem está determinada a superar as adversidades.

Na novela original de Cassiano Gabus Mendes, exibida pela Globo em 1982, a personagem correspondia a Carmem, interpretada por uma mulher cisgênero, Maria Helena Dias. Carmem era casada com o extrovertido Rubão (Ivan Cândido), que morre, e então descobre estar apaixonada pelo cunhado, Renê (Reginaldo Faria).

A nova versão é assinada por Thereza Falcão e Alessandro Marson, com direção artística de Amora Mautner. Eles enfrentam o desafio de adaptar o enredo para a contemporaneidade, incorporando diversidade de gênero, orientação sexual e racial ao folhetim. Um exemplo é a presença do ator negro Lázaro Ramos como Mário Fofoca, o detetive aloprado anteriormente vivido por Luís Gustavo, um homem branco, na versão original.

Com informações da Folha de SP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here