“Outra Casa Coletiva” completa 3 anos e já atendeu mais de 500 jovens LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade

453

A república de acolhimento, sediada em Fortaleza, é uma iniciativa da sociedade civil organizada e surgiu com o objetivo de “acolher para interromper ciclos de morte”

Fundada em 2020, em um dos momentos mais críticos da pandemia de covid-19, a Outra Casa Coletiva completa três anos de atividade continuada e vem se consolidando como centro de acolhimento e cultura. Sediada no bairro Benfica, em Fortaleza (CE), a organização mantém um programa temporário de residência com foco no atendimento de pessoas LGBTQIA+ vítimas de violência ou abandono. A equipe voluntária é multidisciplinar e oferece apoio psicossocial, atendimento jurídico e suporte à inclusão no mercado de trabalho, com orientação curricular e indicações de formações profissionais.

O projeto caminha para expandir seu núcleo de saúde para além dos cuidados em saúde mental já oferecidos. É o caso da parceria estruturante com o Projeto Amparo, da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Ceará (UFC), que oferece a realização de exames laboratoriais de check-up, e do futuro programa de atendimento clínico, que vai ser disponibilizado na casa por uma iniciativa do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Periodicamente, a sede do projeto recebe ações de aconselhamento e testagem de IST/AIDS, realizadas por equipes da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza.

“Celebrar três anos de atividade continuada de um projeto como esse não é pouca coisa”, destaca Ari Areia, fundador da Outra Casa Coletiva. “A gente comemora a cada mês que conseguimos fechar as contas, arcando com os compromissos que assumimos para manter essa casa de portas abertas. Esses três anos são uma vitória”.

Ari pontua que a estrutura física da casa conta com capacidade de atendimento de até 10 pessoas acolhidas simultaneamente, mas que a equipe tem mantido um teto de cinco a seis acolhidos, por questões objetivas de manutenção. “Nosso desejo é chegar ao final deste ano com condições de funcionamento em capacidade máxima, mas para isso precisamos do abraço e de força de mais pessoas”, reforça.

Em 2022, a Outra Casa Coletiva acolheu 107 pessoas que se viram sem casa por motivos diversos, todos eles por motivação LGBTfobia. O relatório de atividades da gestão do projeto mostra que, desse quantitativo, a maioria foram homens cis gays (42,45%), seguido por mulheres trans (27,36%), mulheres cis lésbicas (16,98%), homens trans (9,43%) e pessoas não binarias (3,77%). A idade média das pessoas atendidas no centro de acolhimento é entre 21 e 23 anos. Atualmente, a casa funciona com quatro pessoas acolhidas e disponibiliza duas vagas.

“Quando eu ‘saí do armário’ há 13 anos, também me vi sem casa”, lembra Ari Areia, “naquela época, se não fosse uma rede de apoio, que segurou a minha mão, eu não sei como as coisas teriam caminhado na minha vida”. O ativista pontua que essa realidade não ficou no passado, “ainda há muitas famílias que reagem mal quando os filhos e as filhas contam sua sexualidade ou identidade de gênero. Todas as semanas chegam casos assim para a gente. Alguns são bem graves com quadro de violência doméstica”. Manter a Outra Casa Coletiva, como uma porta aberta para as LGBTs no Ceará, tornou-se uma missão de vida para a equipe de diretoria e voluntariado do projeto.

Serviço
Outra Casa Coletiva – 3 anos
Instagram: @outracasacoletiva
Doações: www.paraquemdoar.com.br\outracasa
Pix: CNPJ 46.571.812/0001-98 (Associação Outra Casa coletiva BB Banco do Brasil)
Endereço: Rua Instituto do Ceará, 164 – Benfica – Fortaleza, Ceará
Fone: 85 9 8206-1800
E-mail: outracasacoletiva@gmail.com
CNPJ 46.571.812\0001-98

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here