Conheça todas as geniais referências LGBTQIA+ do filme Barbie

510

Com a Barbie de Greta Gerwig quebrando recordes de bilheteria, descobrimos todas as geniais referências LGBTQIA+ do filme.

Por Rafael Mesquita

Fotos: Divulgação/Barbie

Desde a sua criação em 1959, a icônica boneca Barbie da Mattel influenciou gerações de meninas, para o bem ou para o mal . Apesar de seu inspirador slogan “você pode ser qualquer coisa”, a Barbie original foi percebida como uma árbitra de estereótipos nocivos e padrões de beleza feminina na segunda metade do século 20 (pense em proporções magras, brancas e geometricamente impossíveis).

Sessenta e quatro anos depois, no entanto, a linha Barbie possui mais de 170 bonecas com vários tipos de corpo (peixe, alto e curvilíneo) e vários tons de pele diferentes. Também desenvolveu um universo extenso considerável, incluindo uma gama de acessórios, filmes de animação e um canal de vlog no YouTube com 11,4 milhões de assinantes .

Do complemento “camp” favorito de todos, o boneco Ken (também conhecido como namorado atraente, mas vazio da Barbie), até os brinquedos que moldaram uma geração de garotas, gays e pessoas não-binárias, a marca de brinquedos simplesmente não erra.

A marca de identidade agressivamente rosa, a mensagem imprevisível de empoderamento feminino e a reinvenção constante culminaram em um dos filmes live-action mais aguardados da história recente do cinema.

Dirigido por Gerwig, indicada ao Oscar, Barbie traz Margot Robbie (de “Eu, Tonya”) como a Barbie “estereotipada”, contracenando com o Ken cabeça oca de Ryan Gosling, e um elenco de apoio repleto de estrelas como Will Ferrell, America Ferrera, Ncuti Gatwa, Hari Nef, Dua Lipa, Issa Rae, Michael Cera e Helen Mirren.

Quando Barbie é assolada por pensamentos de angústia existencial e descobre que a vida em plástico não é tão fantástica como ela costumava acreditar, ela se aventura no “Mundo Real” em busca de respostas – e confronta o legado de seis décadas da Mattel, com muitas piadas autoconscientes ao longo do caminho.

Claro, nada combina melhor com a dolorosa realização de sua mortalidade do que uma dose saudável de vibes queer e camp: desde a trilha sonora recheada de hits pop, incluindo um remix de “Barbie Girl” da Aqua por Nicki Minaj e Ice Spice, além de músicas de Sam Smith e Charli XCX, até os figurinos prontos para a passarela do Drag Race, este filme foi feito com a comunidade LGBTQIA+ em mente.

Embora Robbie tenha esclarecido que não há personagens explicitamente LGBTQIA+, Barbie está claramente fazendo algo certo se os intolerantes estão acusando o filme de promover uma agenda queer. Aqui estão os easter eggs, referências ou momentos LGBTQIA+ que são simplesmente muito queer para serem ignorados.

A Barbie ‘estereotipada’ de Margot Robbie tem um subtexto lésbico

Foto: Divulgação/Filme

Sem dúvida, inúmeras sáficas estarão familiarizadas com o “caminho” de “fazer suas Barbies se esfregarem e ficarem obcecadas com o filme animado Barbie em As 12 Princesas Bailarinas em 2006 até se assumir lésbica”. Agora, Barbie está honrando esse legado queer.

No filme, a comediante do Saturday Night Live (SNL) e assumidamente gay, Kate McKinnon, interpreta a Barbie “esquisita” e excluída, com cabelo cortado de forma desajeitada, rosto coberto de caneta e pernas presas na posição de espacate permanente.

Quando a Barbie “estereotipada” de Robbie busca conselhos sábios sobre por que sua vida perfeita está desmoronando, a Barbie de McKinnon lhe oferece uma escolha ao estilo de Matrix (pílula vermelha/azul): voltar para sua existência glamorosa e cheia de strass ou “conhecer a verdade sobre o universo” usando um par de Birkenstocks, também conhecidos como o calçado mais lésbico que já existiu.

Foto: Reprodução/Filme

Textos do início dos anos 1990 já mencionavam a clara ligação entre Birkenstocks (sandálias práticas e robustas) e lesbianismo. Alguns sugerem que essa estranha associação surgiu quando lésbicas propositadamente desafiaram os padrões de beleza tradicionais para combater o patriarcado.

Após alguma hesitação, a Barbie estereotipada escolhe o caminho dos Birkenstocks, mas as coincidências queer não param por aí: toda a cena é ambientada com “Closer to Fine”, uma música de sucesso da dupla de rock folk lésbico Indigo Girls.

Agora um hino lésbico, a letra explora temas sobre se entender e encontrar seu lugar no mundo. Conforme a Barbie estereotipada embarca em sua jornada de autodescoberta, diversos momentos sáficos ocorrem.

Os fãs apontaram a química inegável entre ela e Gloria (interpretada por America Ferrera), a humana que possui sua versão de boneca, quando as duas compartilham um olhar intenso (e carregado de significados) após se encontrarem pela primeira vez.

Além disso, a Barbie estereotipada não tem o menor interesse em ter um relacionamento com o Ken e termina o filme usando – adivinhe – um par de Birkenstocks.

Clássico gay O Mágico de Oz inspirou parcialmente a Barbie de Gerwig

Foto: Reprodução/Filme

Gerwig tem uma extensa lista de filmes que inspiraram a direção criativa de Barbie, desde sucessos clássicos de Hollywood, como “Cantando na Chuva” e “O Poderoso Chefão”, até as vibrações disco de “Os Embalos de Sábado à Noite” e os momentos meta de “O Show de Truman”.

Na verdade, Gerwig organizava sessões semanais de cinema (conhecidas como “igreja do filme”) para o elenco e a equipe, para ajudá-los a entender sua visão, e muitos ficarão emocionados ao saber que o icônico musical queer “O Mágico de Oz” provou ser uma inspiração fundamental.

Desde que a ícone gay Judy Garland cantou as primeiras notas de “Somewhere Over The Rainbow”, os temas coloridos da história, como aceitar-se, a família escolhida e se sentir em casa usando um par de sapatos de rubi brilhantes, ressoaram inegavelmente com a comunidade LGBTQIA+.

Em uma entrevista ao Letterboxd, Gerwig explicou por que ela queria “emular” esse clássico vencedor do Oscar.

“O Mágico de Oz, obviamente, é um filme extraordinário.” ela disse. “Ele faz algo que eu queria emular, que são esses incríveis cenários sonoros e esses céus pintados e essa sensação de… eu diria, ‘autenticamente artificial’, o que acho muito bonito e emocional.

“Penso no cenário pintado da Cidade Esmeralda quando eles se aproximam dela. Em nosso filme, temos a estrada de tijolos rosa em vez da estrada de tijolos amarelos. Também temos belos cenários pintados de horizontes”, diz a diretora.

“Executamos como eles fariam nos musicais dos estúdios sonoros dos anos 30, 40 e 50. Foi algo ao qual sempre retornamos. Eu sempre amei o final, onde há uma qualidade cerimonial”, finaliza a criadora do filme.

O boneco Ken de Ryan Gosling é altamente codificado como gay

Foto: Divulgação/Filme

Não podemos falar sobre a Barbie sem discutir sobre seu namorado Ken, “relacionamento de longo prazo, à distância, pouco comprometido e casual”. Além da natureza inerentemente “frutada” do boneco Ken, há muitas evidências que comprovam sua vibe queer.

Gerwig contou à Rolling Stone que “alguma combinação de Marlon Brando encontra Gene Wilder, encontra John Barrymore, encontra John Travolta” influenciou sua caracterização exagerada do Ken de Ryan Gosling. Ao longo dos anos, Brando (Um Bonde Chamado Desejo), Wilder (A Fantástica Fábrica de Chocolate) e Travolta (Grease) têm sido figuras importantes para a comunidade LGBTQIA+.

O próprio filme inclui uma piada recorrente entre Gosling e o Ken de Simu Liu, em que eles ameaçam agressivamente “se atacar mutuamente”. Enquanto isso, outra cena apresenta uma breve participação do “Earring Magic” Ken, um boneco lançado em 1993, carinhosamente apelidado de “Ken do anel peniano” ou “Ken gay”. Você entendeu a ideia (hahahahaha).

Embora o “Earring Magic” Ken tenha sido descontinuado após os consumidores apontarem sua forte associação queer, ele sempre ocupou um lugar especial nos corações gays.

O boneco Allan de Michael Cera tem uma longa história gay

Foto: Reprodução/Filme

Tudo isso nos leva naturalmente ao grande elefante gay na sala da Barbie: o amigo homoerótico de Ken, Allan (interpretado por Michael Cera). Introduzido pela primeira vez em 1964, Allan (reinventado como Alan em 1991) foi eventualmente descontinuado em 2012, mas não antes de ser adotado pela comunidade queer.

Allan foi comercializado como o único amigo de Ken e até vinha com a tagline de que todas as roupas de Ken cabiam nele. A história queer praticamente se escreve por si só.

O Allan de Cera é um boneco desajeitado, tímido e multicolorido, aterrorizado pelo patriarcado, que se une feliz às bonecas Barbie para derrubar a masculinidade tóxica que infiltrou a Terra da Barbie.

Há vários momentos que deixaram o público surpreso com a sexualidade de Allan, desde a estranha reação que ele teve quando os Kens estavam exigindo massagens nos pés, até o momento em que ele começou a chorar quando viu o Ken de Gosling em apuros no final do filme.

No fim das contas, ele é só uma das garotas.

A Barbie Médica de Hari Nef em toda a sua glória queer 

Foto: Divulgação/Hari

Hari Nef trouxe representação trans ao elenco em seu papel como Barbie Médica.

Em uma entrevista à revista Out, Nef confirmou que, embora sua personagem não seja tecnicamente trans, ela espera poder inspirar transgêneras a sonharem grande.

Nef inclui a queeridade em outros aspectos da personagem. Em uma entrevista à Vogue, ela explicou a hilariante história por trás do dono da sua boneca no mundo real.

“[Ele é] um homem gay na casa dos cinquenta anos, que mora em um apartamento com aluguel controlado no West Village”, disse ela, apontando para sua roupa, composta por um vestido rosa com lantejoulas, um laço grande, brincos de coração combinando, um prendedor de cabelo de flores e uma tiara.

Além disso, Nef explicou que todo o figurino do filme parecia ter saído do Drag Race, com seu uso de designs extravagantes e cores vibrantes.

“Eu já brinquei antes, realmente parecia o Drag Race da Greta Gerwig”, disse ela. “Eu estava atuando, dançando, fazendo comédia, e o tempo todo eu estava com peruca, maquiada da cabeça aos pés, enchimentos, saltos”, comenta a atriz.

Barbie está nos cinemas agora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here